Olha quem fala...

Minha foto
Salvador, Bahia, Brazil
Brasileiro. 20 anos. Nascido e criado em Salvador, Bahia. Filho de Paulo e Valdete. Tem cabelos pretos que, quando compridos, formam cachos. Pele morena. Tem por volta de 80 kg. Não tem certeza quanto à estatura, mas acha que está entre 1,68 e 1,70. Cursa Engenharia Elétrica no IFBA. Fala demais e dessa forma costuma esconder o que realmente quer dizer. Escreve por diversão, ou para extravasar. Tem medo de ser considerado arrogante ou convencido. É pessimista, mas está tentando mudar isso. Não usa nenhum tipo de droga, não bebe nem fuma. É vegetariano. Gosta de temas policiais, suspense e romance. Ele é besta.

sábado, 28 de novembro de 2009

Se apaixonar

Ah, se apaixonar. É uma coisa bonita. Você fica todo besta, achando que o mundo é lindo, que não importa a escravidão das crianças no Camboja. Seu mundo está feliz, com flores coloridas por todos os lados. É interessante a capacidade de ficar olhando um só ser vivo durante horas e não se cansar, sempre achando um ângulo que você gosta mais.
Cada atitude, cada besteira, gafe: tudo, e absolutamente tudo, é lindo. É econômico, pois o tempo passa mais rápido. As pessoas quando estão apaixonadas querem sempre estar ali, ao lado do objeto de desejo, sem desgrudar um segundo. Consumir o resultado de sua respiração, como se esse fosse o aroma dos deuses.
E ai daqueles que se aproximarem do ser amado. Tema um ser apaixonado. Ele é capaz de tudo. Acima de tudo, mantenha uma relação amigável, na medida do possível, claro. Tente achar as brechas nos momentos de contemplação e converse.
Não há problemas para os outros. A vida é tão linda, como podem existir problemas? Isso com certeza não deve incomodar. Nem mesmo o cara sozinho ali.
Ah, se apaixonar. É uma memória tão distante...
Putz, to entupido de comida!

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Promessas

Não acredito em promessas. Definitivamente, prometer não é exatamente a atitude que eu mais gosto de tomar. Para mim, são só palavras jogadas em uma frase. Faz muito mais sentido uma ação, uma promessa pra si mesmo, do que uma coisa que se jura cumprir.
Quando a gente promete algo, serve mais como desencargo de consciência para ambas as partes. É uma coisa do tipo "Ah, se ele prometeu, tá tudo bem". Mas o problema não está ai. As promessas são produtos perecíveis e com prazo de validade muito curto. Basta que alguma coisa mais importante aconteça e, pluft, a promessa vai por água abaixo. Por isso detesto prometer.
Quando me pedem para prometer algo, reluto bastante. Acho que a palavra não dita tem muito mais poder do que a palavra dita. Portanto, se um dia eu não disser nada sobre alguma coisa, significa que eu quero bastante que isso aconteça. É meu jeito de prometer, jurar ou coisa do tipo. Por isso que eu não gosto de falar as minhas promessas.
Eu já disse que sou besta?

domingo, 22 de novembro de 2009

Eureka Seven e Beatles

Acabei de ler Eureka Seven, uma recomendação que devo agradecer eternamente à Hannah. Passei a manhã e a tarde lendo, mas ainda vou assistir, já que a história original está no anime. A história do mangá e extremamente tocante e realmente me passou uma impressão muito forte. A história de um personagem que realmente não sabe o que é o amor ou algo do tipo ficou muito legal da forma que eles colocaram. Confiar ou não em alguém é uma escolha bastante complicada, também expressa de forma poética e as vezes literal na obra.

Depois de ler, me deu uma vontade de ouvir Bealtes. Não sei por quê. Peguei meu violão e comecei a procurar as cifras. Bati o olho logo em "All you need is love". Foi ai que eu parei para pensar. Realmente, John e Paul estavam certos. Claro, existe também o pensamento miserável de que amor não mata a fome, mas pelo menos dá ânimo para buscar alimento. O amor, como sempre, é indefinível. Já procurei no dicionário e a definição não me satisfez. É muito além do instinto de procriação ou da preocupação pelo bem-estar. É mais que isso. Agora, o que é? Não sei responder.
Ultimamente tenho pensado bastante no amor. É importante ter no que pensar, senão você começa a divagar sobre esse tipo de coisa. Sei lá, tudo isso é muito estranho. Você pode não saber o que é, mas passa a vida inteira buscado. Você não sabe se é bom ou ruim, se vai melhorar ou piorar sua vida, mas você continua procurando isso. E quando encontrar, ainda pode descobrir que não era só isso que queria, ou que era demais. Ou ainda pior, pode não saber que encontrou e continuar correndo contra tudo para encontrar nada além do que já tem. Entretanto, é tudo que você precisa. All you need is love, mesmo que, como em Eureka Seven, você não saiba o que é.
Estou com fome

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

O retorno do Deep Outside

Ahá, estou de volta!

Debandei para o Wordpress, mas acabei voltando, graças à Amanda, de novo!
É incrível, mas eu tenho alguma coisa com esse blog, mesmo que pouca gente leia ele realmente.

Não vou prometer nada, já que não curmpri das últimas vezes. Hahaha!

Soo, I'm Back!